Chute A $$ Exemplos de Marcas que Rock It (2 de 5)
Posted on: 21 de agosto de 2018, by : Vicente Caudas
série de pilar kick ass marcas de conteúdo de forma longa

Como você deve se lembrar, compartilhamos o conteúdo magro em formato longo recentemente em nosso blog. Se você ainda não leu, veja uma breve recapitulação:

O conteúdo de marca de longo formato vem em muitas formas, e procura educar, informar e inspirar os leitores com conteúdo detalhado que excede 1.200 palavras para mais de 20.000 palavras. Ebooks, white papers, estudos de caso e até mesmo artigos de carne se encaixam nessa definição. Conteúdo de formato longo também:

  • Tem uma contagem de palavras substancial
  • Pode ser conteúdo bloqueado ou não bloqueado, mas normalmente um ímã de chumbo
  • Tem um tema central, normalmente dividido em vários subtópicos relacionados ao seu negócio
  • Geralmente inclui gráficos, elementos visuais e imagens para apoiar a retenção do leitor e a compreensão de um tópico

Tenho certeza de que você gosta dessa definição muito superficial, mas se você quiser implementar uma estratégia de conteúdo longo como marca em breve, vai querer exemplos da vida real. Então, aqui estão quatro exemplos de marcas que chutam um $$ na produção de ímãs de lead de conteúdo longo e como você pode aprender com seus sucessos:

Aqui estão quatro exemplos de marcas que chutam um $$ na produção de conteúdo de formato longo e ímãs de chumbo. #marketing de conteúdo Clique para Tweet

1. IBM – Developer Works – Guias de formulário longo

A maioria das marcas já ouviu falar do IBM Developer Works, e há uma razão para isso: eles são especialistas em tudo o que sabem e recursos para empresas. Enquanto eles poderiam optar por escrever exclusivamente sobre como operar seus próprios produtos, seu escopo editorial é expansivo, com numerosos guias sobre todas as coisas, negócios e tecnologia. No site da IBM, há um estouro de guias e postagens robustas em uma variedade de tópicos, como análise, AI, dados, colaboração, segurança e outros tópicos de tecnologia em seu hub do Developer Works.

A abordagem é a seguinte:

  1. Allie, gerente de marca da XYZ Brand, vai ao Google buscar conselhos sobre o uso de big data para marketing de marca. Ela encontra ótimas postagens sobre marketing de entrada e lidera o cultivo no blog da IBM.
  2. Tão impressionada com o que leu, ela percebe uma frase de chamariz na parte inferior da postagem que leva a um e-book perspicaz sobre práticas recomendadas.
  3. Allie acha que o e-book será útil, então ela envia seu nome e endereço de e-mail e faz o download.
  4. A informação de Allie flui como um lead de entrada. Allie voluntariamente opta por se juntar à lista de e-mails da IBM e logo se torna um líder ativo. A IBM, enquanto isso, não comercializa ativamente a Allie (pelo menos não ainda).

Leve embora:

Não importa o seu setor de marca, há um lugar para guias e recursos informativos. A criação de guias apresenta uma oportunidade para capturar clientes em potencial na “fase de descoberta” da jornada do cliente – a etapa anterior à compra de um produto. Aproveite o tempo para criar artigos e recursos que nutrem um potencial cliente nesta fase. Adapte seu conteúdo a seus principais públicos-alvo e responda:

  • O que eles querem saber?
  • O que lhes interessa?
  • O que os motiva?
  • Que pontos de dor eles têm?

Use essas respostas como base de sua cópia magnética de chumbo. Se você conseguir oferecer aos leitores algo de valor, as pessoas provavelmente continuarão interagindo com sua marca e terão prazer em fazer negócios com você.

série de pilar kick ass marcas de conteúdo de forma longa

2. Wordstream – blogs de formato longo

Como um comerciante de marca, o Google é um alvo para toda e qualquer pesquisa. Diariamente, você procura “O que é…”, “Como funciona o ____?” E várias outras perguntas, buscando respostas detalhadas.

Você perceberá um denominador comum com muitos resultados de pesquisa: os principais resultados de pesquisa geralmente têm uma alta contagem de palavras. (Confira a primeira parcela desta série para mais informações sobre a correlação de contagem de palavras e rankings de busca).

Aqui está a versão do código de busca e contagem de palavras:

O M.O. do Google é fornecer aos pesquisadores as respostas mais relevantes e detalhadas para consultas de pesquisa, que muitas vezes são suportadas por conteúdo de formato longo. O conteúdo de formato longo fornece inerentemente recursos mais pesados ​​para os leitores; ergo, o Google classifica-o acima de uma página da Web básica e básica. Além disso, um dos principais contribuidores para o algoritmo de pesquisa do Google é o tempo na página, que geralmente é mais alto quando um visitante da web consome conteúdo em formato longo.

Tire isso do Wordstream, que reformulou seu blog com conteúdo longo. Aqui está a abordagem deles:

“Nosso conteúdo médio foi de cerca de 1.000 palavras ou menos. Nós nos concentramos fortemente em SEO, incluindo a otimização de palavras-chave. O único problema com essa estratégia? Estávamos recebendo muito tráfego de pesquisa, mas não muito tráfego de retorno, tráfego direto ou pesquisas de marca, e nossas métricas de envolvimento do usuário, como taxa de rejeição e tempo no site, eram muito baixas. Então, mudamos um pouco nossas táticas e começamos a incorporar mais artigos longos em nossa estratégia de conteúdo. O objetivo era aumentar o envolvimento do usuário – e funcionou extraordinariamente bem. Concentrando-se na contagem de palavras, o Wordstream triplicou o tempo médio no site de 1:33 para 4:35 e melhorou as classificações de busca no nível do domínio. ”

benefícios de promoção de conteúdo

Leve embora:

A contagem de palavras não é apenas importante para e-books, whitepapers, estudos de caso e outros ímãs de lead, mas também para postagens de blog. Pare de produzir conteúdo genérico no intervalo de 500 a 700 palavras, porque ele pode ir até a profundidade da pele para ajudar os leitores a entender um tópico. (Além disso, neste período você não pode classificar na primeira página do Google.)

série de pilar kick ass marcas de conteúdo de forma longa

3. Zillow – Estudos de dados

Zillow, o site imobiliário on-line, usa dados para criar conteúdo. Proficiente em agregação de conteúdo imobiliário e coleta de dados, possui dados sobre mais de 110 milhões de residências, coletando informações sobre estimativas de valor, comodidades, tamanho de lote, preço médio de casas para venda nas proximidades e muitos outros pontos de dados.

Além de seu conteúdo web mais leve e de melhor qualidade, o Zillow tem um grande banco de estudos orientados por dados que mostram tendências imobiliárias que afetariam profissionais imobiliários, locatários e compradores de imóveis. Isso inclui estudos proprietários e originais sobre dados de mercado, previsões, dados do comprador, dados do locatário e valores residenciais.

Leve embora:

Produzir estudos de dados serve como uma plataforma dinâmica para educar e esclarecer os leitores. Eles também são ativos kick-a-$$ para sua marca porque valida sua experiência como um líder de pensamento.

Aqui estão algumas dicas ao criar um estudo de dados:

  • Escolha um tópico específico e exclusivo do seu negócio, oferecendo uma vantagem competitiva.
  • Garner insights profundos, mas aqueles que devem ser facilmente digeríveis para um consumidor.

Produza resultados objetivos com uma perspectiva imparcial para que os leitores possam tomar uma decisão mais informada sobre sua marca, produto ou serviço.

série de pilar kick ass marcas de conteúdo de forma longa

4 – Clearvoice – Estudos de caso

Os estudos de caso são outro tipo de conteúdo de magnetização de longa duração. Publicar estudos de caso é benéfico por alguns motivos:

  1. O formato da história facilita a digitação das pessoas.
  2. Posiciona sua marca como especialista em seu nicho.
  3. Ele permite que você prove suas declarações de marketing através de provas quantificáveis.
  4. Pode ganhar backlinks e conversas sociais.

O ClearVoice produziu um estudo de caso sobre o sucesso de nosso próprio blog. Analisamos todo o processo em profundidade, desde a auditoria de conteúdo até o relatório de progresso mês a mês sobre a reinicialização da estratégia de conteúdo. No estudo de caso, compartilhamos como aumentamos o tráfego orgânico mensal de blogs em 1.665%, de ~ 2.900 visualizações mensais de página em nosso ponto baixo para ~ 51.500 visualizações de páginas mensais sustentáveis ​​(e ainda em crescimento). Ao produzir o estudo de caso, pudemos compartilhar nossos processos, sucessos e pontos negativos e também fornecer prova social de nossa qualidade e conhecimento em marketing de conteúdo.

Takeaways:

Crie um estudo de caso para mostrar os sucessos de sua marca. Aqui estão alguns passos para fazer isso:

Etapa 1. Escolha um tópico e um cliente.

O tópico ideal para o seu estudo de caso depende do que a sua marca faz e de quem são seus clientes. Pergunte a si mesmo:

  • Qual é o objetivo deste estudo de caso?
  • Qual produto ou serviço queremos promover?
  • Que problema estamos ajudando nossos clientes a resolver com este produto ou serviço?

Depois de escolher o tópico, você precisa selecionar um tópico que ajude a ilustrar melhor os pontos fortes da sua marca. Essas perguntas ajudarão você a determinar quem incluir:

  • Qual tópico melhor nos representa para o nosso público-alvo?
  • O tópico é bem conhecido o suficiente para fornecer uma prova social eficaz?
  • Nosso sucesso pode ser provado?
  • Temos (ou podemos obter) os dados necessários para construir um estudo de caso eficaz?

Etapa 2. Defina as expectativas.

Defina expectativas claras para garantir que o estudo seja concluído a tempo e com precisão. Comece por entrar em contato com as partes envolvidas e defina suas necessidades. Explique quais informações você precisará e quem fará o quê.

Etapa 3. Coletar dados relevantes.

Comece a compilar as informações de que você precisa.

Etapa 4. Crie o estudo de caso.

Agora que você tem todos os dados, é hora de escrever o estudo de caso, criar todos os gráficos de suporte e colocá-los em um formato PDF. Se você não tem um designer gráfico na equipe, contrate um freelancer.

Todos os estudos de caso seguem este formato, pelo menos vagamente:

  • Resumo: Compartilhe de quem é o estudo de caso e o que eles fazem. Pense nisso como introduzindo o personagem da sua história.
  • Desafio: Explique quais problemas a empresa enfrentou e que sua marca conseguiu ajudá-los a resolver.
  • Implementação: Esta seção cobre o “como”.
  • Solução: Agora você compartilha os resultados de todos os dados coletados. Não leve os dados apenas pelo valor de face, mas analise e explique quais variáveis ​​diferentes podem ter causado alterações nos dados.
  • Apelo à ação: O que você quer que os leitores do estudo de caso façam a seguir? Diga-lhes!

Há muitos fatores envolvidos na criação de conteúdo de formato longo, mas é definitivamente mais fácil obter uma imagem de como fazer isso quando você vê exemplos da vida real.

Mais artigos desta série:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *